Let’s ‘Talk’…

Estou enfeitiçado pelo álbum ‘Talk’ do Daniel Johns! E digo mais! Seu disco é um dos bons álbuns que ouvi nesses últimos meses! Deixando meu lado fã do cara de lado, eu reforço os comentários que a mídia fez sobre a coragem que ele teve em se reinventar, em se consolidar como artista pop e, juntando vários gêneros musicais, falsetes e eletrônica, ele conseguiu gravar um disco bacana. Em tempo, o seu trabalho solo é de 2015.

Enquanto estive deitado, prestando atenção nas músicas, fui rapidamente conquistado com a Aerial Love. Cantei em pensamento o ‘Ooooh! Ooh! Uooh!’ da By Your Side, senti o peso da Preach mais de uma vez, pedi desculpas para a Cool on Fire (mais abaixo entenderão o pedido de desculpas) e favoritei a Dissolve. Sem falar na Chained, Faithless, New York… É um disco pra apreciar sem pressa e o ‘flowzinho’ dele é gostoso de sentir! Posso até dizer que é um disco bom pra ouvir enquanto você tá namorando, rs.

Eu confesso que por ser fã do Silverchair (leia o post que escrevi sobre a banda clicando aqui), torci o nariz para o disco e para os singles na época do lançamento. Tô acostumado em ver o Daniel no palco com aquela PRS Custom 24, cantando Freak usando aquele vocal gutural foda, sabe? Não foi fácil engolir ele cantando ‘Cool on Fire’ pela primeira vez…

960e4bed11ea4fa14011e30f94aadf7d
Foto: Stephen Cooper

Ao longo de sua carreira musical com o Silverchair (Daniel tem 37 anos e fez sucesso com a banda quando tinha 15), Daniel sempre experimentou/acrescentou coisas novas à sua música e isso, na minha opinião de bosta, o coloca como um artista talentoso. Só que mesmo sendo um ótimo álbum, ele não conseguiu separá-lo da imagem de frontman do Silverchair.

Escute o disco e tire suas próprias impressões. Cheers!!

Silverchair

r0_90_1728_1062_w1200_h678_fmax
Fonte: Internet

Silverchair é uma banda que vou carregar comigo por toda minha vida com muito carinho!!
Além de estar no top 3 das minhas bandas preferidas (você que me conhece, arriscaria dizer quais são as outras duas?), muitas coisas bacanas que vivenciei foi ao som de Silverchair.

Foi em 1995 que ouvi pela primeira vez o som da banda e confesso que achei uma bosta! Meu irmão que curtia os clipes quando passavam na MTV, época que o canal era megafoda, e a gente assistia o que dava num TV de 14 polegadas com Bombril na antena. Eu escutava, de tabela, metendo o pau na banda até ele ganhar de nossa mãe o CD do álbum Frogstomp. Foi aí que parei pra escutar com mais atenção pois só conhecia a Tomorrow e me rendi de vez ao som dos caras, principalmente após ouvir a Pure Massacre. Gostei do estilo das guitarras não terem tanto efeito e nem liguei pelo fato do som ter uma pegada grunge. O grunge me faz lembrar de Nirvana e eu não gosto nem um pouco de Nirvana…

No final de 1999, pedi de amigo secreto o álbum Neon Balroom!! Lembro que nessa época os sons Ana’s Song (open fire) e Miss You Love estavam presentes diariamente no Top Mix, um programa de rádi677-1to da Mix FM (que hoje é moh bosta). Até hoje acho a capa do single Ana’s Song uma das mais bacanas que eu já vi e você pode vê-la aí do lado do texto!! Nele eu descobri um som que acho muito foda pra potencializar a vontade de quebrar tudo: Wasted/Fix Me, cover de uma banda chamada Black Flag.
Acho que o álbum é, disparadamente, o mais famoso da banda aqui no Brasil e tem a minha música preferida do Silverchair, a Paint Pastel Princess. Nesse tempo eu ouvia a banda com os amigos jogando truco no portão e passava boa parte do tempo ligando no disk amizade 145. A musicalidade da banda deu uma mudada significativa se compararmos este álbum com os anteriores. Vieram os pianos e a barulheira característica deu uma sossegada, basta ouvir sons tipo Steam Will Rise, Miss You Love, Point of View… Ainda sim, pelo menos pra mim, a banda manteve o alto nível.

Como tinha os dois discos, faltava completar a coleção (naquele tempo, claro) e acabei comprando o CD Freak Show, o segundo da banda. Não tinha ouvido músicas como Petrol & Chlorine, Pop Songs For Us Rejects, Nobody Came mas conhecia  Freak, Abuse Me e The Door, que são as mais populares do disco. Nessa época, eu já arriscava uns acordes no violão e tocava algumas músicas da banda com o Erick, um amigo longa data. Ouvir qualquer versão ao vivo da The Door era uma puta vitória na vida!! Em 2000 conheci o The Best Of: Vol. 1, CD duplo pra alegria da galera tendo o disco 2 cheio de B-Sides. Eu ainda ligava nos ‘disk amizade’ da vida, tentava tocar o som Untitled e já estava com menos tempo livre pois adquiri um hábito  que faz parte da minha vida até hoje: trabalhar…

Silverchair… meu irmão me fez gostar de Silverchair e eu fiz os amigos gostarem de Silverchair, fiz meu primo gostar de Silverchair. Comprei o álbum Diorama na pré-venda e só recebi o CD meses depois, já achando que não receberia mais o produto pago com o suor do meu trabalho, rs. Lembro que entregaram num sábado de manhã e, quando entregaram, eu nem lembrava mais que tinha comprado o disco. O segundo melhor disco da banda depois do Frogstomp!! Ao ouvir  Across The Night e Luv Your Life, percebi que alguns sons receberam uma pitada de ‘orquestra’, sabe? É disparado o álbum mais bem trabalhado da banda. Tem um B-Side chamado Ramble que, pra mim, deveria ter saído no Diorama junto com a música Hollywood. Na turnê desse disco, Daniel Johns estava no auge da sua habilidade vocal apesar de sempre ter tido uma puta voz. Lembro que naquele tempo eu já era consumido pelo trabalho e torcia para os finais de semana passarem lentamente…

Até o último disco da banda, o Young Modern, a banda ficou 4 anos sem gravar… porém sempre continuei ouvindo Silverchair de uma forma incansável. Saiu até um DVD e CD duplos, ao vivo, chamado Live From Faraway Stables. Até hoje não comprei esse pois o preço dele é um absurdo de caro além de não ter sido lançado aqui no Brasil e, pra variar, até hoje eu o escuto repetidas vezes. Voltando ao Young Modern, o disco é o mais fraco dos 4. A banda sempre experimentou coisas novas e isso é notado de disco pra disco o que, por um lado, é algo positivo na minha opinião. A banda nunca se manteve fixa a um determinado estilo musical. Porém, apesar de ter sons bacanas como Reflections of a Sound, Those Thieving Birds (part 1)/Strange Behaviour/Those Thieving Birds (part 2) e Straight Lines, o disco não empolga. Tá bom, vai! Tem um som que saiu no single da música Straight Lines chamada English Garden. Esse som eu acho muito, muito, muito bom!! Me pareceu que a banda não tinha dado o carinho necessário na hora da criação das músicas. Eu não comprei esse álbum e, apesar de escutar vez e outra, não me deixa com vontade de fazer um Air Guitar.

A banda entrou num hiato indeterminado em 25/05/2011 e eu fiquei incomodado com isso. Fiquei uns 4 dias ouvindo Silverchair e lembrando das diversas coisas que fiz enquanto ouvia a banda. Sinceramente? Eu preferiria que eles não voltassem com a banda pois assim como muita coisa na vida, essa foi boa enquanto durou…

2023171
Foto: Myrna Suarez|Getty Images