2016…

Ano que muita gente morreu (todo ano morre gente), ano que pretendi correr uma maratona, comprar um X-Box One, fazer um upgrade no PC, viajar pra fora do país, prestar FUVEST, adotar um cachorro, pedalar mais, sossegar mais, ficar mais em casa, ler mais (e olha que já leio muito), ser mais resiliente, ceder mais.

Para 2017, espero que os objetivos não sejam 100% os mesmos de 2016. Se bem que esse lance do ano novo, de tudo novo, sempre foi uma baita de uma parada comercial. Enquanto os pulmões estiverem com o seu ciclo em pleno funcionamento, o momento certo sempre será agora mesmo!