O tal do amor…

Ahhhh o amor… amor que faz você cometer loucuras, se enfiar em ciladas, dizer coisas absurdas, amor que te tira o sono.

É como uma droga anestésica! O amor cria um escudo contra as coisas que podem te desequilibrar. Tanto que você torce para que dure pra sempre e, assim, não precisará olhar para trás e ver o estrago que fez a si mesmo ou ao caminho percorrido.

O amor pode também te levar a excluir hábitos (bons ou ruins) de sua vida. Quando ele é latejante, intenso, faz com que você também deixe seus amigos emputecidos. Emputecidos por você cometer a burrice de afastá-los da sua vida. Isto é, se afastou é que talvez não eram amigos de verdade (sei que há exagero aqui). A tal da vibe… você vai citar motivos só que os amigos não querem saber dos seus motivos. Amigos querem continuar sendo amigos…

Amor! Vai tomar no seu cu!

Escrevi isso ouvindo ‘New York’ do Daniel Johns